Notícias

Confederação Brasileira de Vôlei vai indicar Ágatha/Bárbara e Pedro/Evandro para vagas olímpicas

Ágatha/Bárbara Seixas e Evandro/Pedro Solberg desbancaram outras parcerias como Juliana/Maria Elisa e os campeões de Atenas 2004, Ricardo/Emanuel, e serão as duplas indicadas pela Confederação Brasileira de Vôlei para a disputa das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. A entidade ainda não confirma os nomes oficialmente, mas marcou uma coletiva de imprensa para quarta-feira, às 10:30 horas, no auditório do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), para formalizar as duplas escolhidas e detalhar o planejamento de preparação para os Jogos Olímpicos. Inicialmente, havia sido divulgado que a decisão sairia apenas em janeiro do ano que vem.

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), através do diretor de vôlei de praia, Fúlvio Danilas, explicou recentemente que essas vagas de indicação ficariam com os times que apresentassem “força máxima” ao longo da corrida olímpica. Os critérios avaliados seriam não só o desempenho e a posição no ranking, mas também as partes física e psicológica de cada equipe.

As duplas que brigavam diretamente com Ágatha/Bárbara Seixas e Evandro/Pedro Solberg eram Juliana/Maria Elisa e Ricardo/Emanuel. Os resultados recentes da paranaense e da carioca e dos dois atletas do Rio de Janeiro, contudo, superavam os dos adversários em 2015.

As meninas, por exemplo, saíram com o título do Campeonato Mundial, na Holanda. Pelo Circuito Mundial, venceram o Grand Slam de St. Petersburg, nos Estados Unidos, e foram vice-campeãs na etapa de de Yokohama, no Japão; além de ficarem em segundo no Rio Open, evento-teste dos Jogos de 2016. Pedro/Evandro, por sua vez, foram prata no Grand Slam de Moscou, na Rússia, e ouro no Major Series de Stavanger, na Noruega, além de vice-campeões no Mundial da Holanda.

Será a primeira edição das Olimpíadas de Ágatha/Bárbara Seixas e Evandro/Pedro Solberg. As meninas estão juntas desde 2011 e vivem grande fase nas quadras, enquanto os cariocas iniciaram sua parceiro no ano passado e também vêm tendo ótimos resultados. Essa foi a primeira corrida olímpica de Evandro, de apenas 24 anos. Seu parceiro, por sua vez, ficou fora de Pequim 2008 por um jogo e, um ano antes de Londres 2012, esteve envolvido em um polêmico doping, mas acabou inocentado.

 

Fonte: Globo Esporte